segunda-feira, 11 de outubro de 2021

As concepções da verdade grego, latim e hebraico

 

As concepções da verdade grego, latim e hebraico

Nossa ideia da verdade foi construída ao longo dos séculos, a partir de três concepções diferentes, vindas da língua grega, da latina e da hebraica. Em grego, verdade se diz  aletheia, significando: não-oculto, não-escondido, não dissimulado. O verdadeiro é o que se manifesta aos olhos do corpo e do espírito; a verdade é a manifestação daquilo que é ou existe tal como é. O verdadeiro se opõe ao falso,  pseudos, que é o encoberto, o escondido, o dissimulado, o que parece ser e não é como parece. O verdadeiro é o evidente ou o plenamente visível para a razão. Assim, a verdade é uma qualidade das próprias coisas e o verdadeiro está nas próprias coisas. Conhecer é ver e dizer a verdade que está na própria realidade e, portanto, a verdade depende de que a realidade se manifeste, enquanto a falsidade depende de que ela se esconda ou se dissimule em aparências. Em latim, verdade se diz  veritas  e se refere à precisão, ao rigor e à exatidão de um relato, no qual se diz com detalhes, pormenores e fidelidade o que aconteceu. Verdadeiro se refere, portanto, à linguagem enquanto narrativa de fatos acontecidos, refere-se a enunciados que dizem fielmente as coisas tais como foram ou aconteceram. Um relato é veraz ou dotado de veracidade quando a linguagem enuncia os fatos reais. A verdade depende, de um lado, da veracidade, da memória e da acuidade mental de quem fala e, de outro, de que o enunciado corresponda aos fatos acontecidos. A verdade não se refere às próprias coisas e aos próprios fatos (como acontece com a  aletheia), mas ao relato e ao enunciado, à linguagem. Seu oposto, portanto, é a mentira ou a falsificação. As coisas e os fatos não são reais ou imaginários; os relatos e enunciados sobre eles é que são verdadeiros ou falsos. Em hebraico verdade se diz  emunah  e significa confiança. Agora são as pessoas e é Deus quem são verdadeiros. Um Deus verdadeiro ou um amigo verdadeiro são aqueles que cumprem o que prometem, são fiéis à palavra dada ou a um pacto feito; enfim, não traem a confiança. A verdade se relaciona com a presença, com a espera de que aquilo que foi prometido ou pactuado irá cumprir-se ou acontecer.  Emunah  é uma palavra de mesma origem que amém, que significa: assim seja. A verdade é uma crença fundada na esperança e na confiança, referidas ao futuro, ao que será ou virá. Sua forma mais elevada é a revelação divina e sua expressão mais perfeita é a profecia. Aletheia  se refere ao que as coisas  são;  veritas  se refere aos fatos que  foram; emunah  se refere às ações e  as coisas que  serão. A nossa concepção da verdade é uma síntese dessas três fontes e por isso se refere às coisas presentes (como na aletheia), aos fatos passados (como na  veritas) e às coisas futuras (como na emunah). Também se refere à própria realidade  (como na  aletheia), à linguagem (como na  veritas) e à confiança-esperança (como na  emunah). Palavras como  “averiguar”  e  “verificar”  indicam buscar a verdade;  “veredicto”  é pronunciar um julgamento verdadeiro, dizer um juízo veraz;  “verossímil”  e “verossimilhante”  significam: ser parecido com a verdade, ter traços semelhantes aos de algo verdadeiro.
Texto de Convite à Filosofia Marilena Chauí editora Ática.

segunda-feira, 22 de março de 2021

Rendimento escolar: um estudo comparativo entre alunos da área urbana e da área rural em uma escola pública do Piauí

 Rendimento escolar: um estudo comparativo entre alunos da área urbana e da área rural em uma escola pública do Piauí


Resumo 

O objetivo principal deste estudo foi comparar o rendimento escolar entre alunos do 6º ano que residem nas áreas rural e urbana de uma escola pública do Piauí. Além disso, investigaram-se as causas socioeconômicas e escolares que influenciam tal rendimento, segundo os professores e os alunos. Os dados de rendimento foram obtidos mediante registros escolares, e os fatores influenciadores de rendimento foram investigados por meio de questionários e de entrevistas. Os registros escolares apontaram que os alunos que residem em área rural possuem um menor rendimento em comparação àqueles que moram na área urbana. Esta variação estaria ligada a aspectos sociais e escolares em diferentes níveis: de aluno, de turma e de escola. 

Palavras-chave: Avaliação Escolar. Rural-urbano. Fatores Influenciadores


  Rendimento escolar: um estudo comparativo entre alunos da área urbana e da área rural em uma escola pública do Piauí
Lopes, Suzana GomesXavier, Isabel Matilde de CarvalhoSilva, Alexandre Leite dos Santos

        · resumo em Português | Inglês | Espanhol     · texto em Português     · Português ( pdf )

A cultura de avaliação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS): entre a avaliação externa e a autoavaliação

 A cultura de avaliação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS): entre a avaliação externa e a autoavaliação

Resumo 

Este artigo propõe-se a realizar uma análise da trajetória da avaliação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), a partir de entrevistas com os gestores que estiveram à frente da Secretaria de Avaliação Institucional (SAI), desde o seu surgimento nos anos 2000 até 2016 (ou seja, quatro gestores). Destacam-se do contexto mais geral de avaliação nacional as iniciativas locais que foram sendo adaptadas para atender às demandas por uma avaliação mais global, passando pelas diferentes gestões e o respectivo foco de sua atuação durante o processo. Procura-se compreender o modo como a UFRGS, ao longo do tempo, vai constituindo uma cultura de avaliação. Palavras-chave: Cultura Interna. Autoavaliação. Avaliação Externa. Cultura de Avaliação. 

A cultura de avaliação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS): entre a avaliação externa e a autoavaliação
Magalhães, Nara Maria EmanuelliRodrigues, Cláudia Medianeira Cruz

        · resumo em Português | Inglês | Espanhol     · texto em Português     · Português ( pdf )


Visualizar o artigo e Baixar PDF

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

Zygmunt Bauman - Mundo Líquido por Leandro Karnal

Sociedade Líquida
A racionalidade do moderno prometeu segurança, valores éticos, conhecimento científico. Princípios categóricos eram ideais para controle humano. Igualdade, fraternidade, liberdade pregava o culto à razão. A sociedade perfeita. Logo se viu a perda da razão, o terror, a guerra, o holocausto. A segurança se desfaz, o medo toma novas formas, a sociedade se desfaz, como ondas de uma realidade quântica geram incertezas. Sociedaďe líquida onde tudo é efêmero e inseguro. Relações humanas à distância. Diversas realidades virtuais. Mas o que é realidade? Não sabemos mais. É algum lugar, nem fora de nós, nem dentro. Algum lugar, um mundo paralelo que não está em lugar algum. 


 

Postagem em destaque

Entrevista sobre Avaliação com a Professora Thereza Penna Firme

Entrevista sobre Avaliação com a Professora Thereza Penna Firme Entrevista sobre Avaliação com a Professora Thereza Penna Firme para ...