sexta-feira, 25 de outubro de 2019

A Avaliação e a Epochê

Toda consciência, diz Husserl, é sempre  “consciência de”  ou consciência de alguma coisa, isto é, toda consciência é um ato pelo qual visamos um  objeto, um fato, uma idéia. Na abordagem fenomenológica tudo o que existe é fenômeno e só existem fenômenos. Fenômeno é a presença real de coisas reais diante da consciência; é aquilo que se apresenta diretamente,  “em pessoa”,  “em carne e osso”, à consciência.
Para nós aproximarmos do fenômeno devemos suspender todo juízo próprio de valor preconcebido, devemos fazer a epochê, suspensão de valores preconcebidos sobre o objeto. O que  é o fenômeno? É a  essência. O que é a essência? É a significação ou o sentido de um ser, sua ideia, seu  eidos. A Filosofia é a descrição da essência da consciência (de seus atos e correlatos) e das essências das coisas. Por isso, a Filosofia é uma  eidética  – descrição do  eidos ou das essências. Como o  eidos  ou essência é o fenômeno, a Filosofia é uma fenomenologia.
A abordagem naturalística de Guba e Lincoln diferenciou entre o estudo naturalista, enraizado na etnografia e na fenomenologia, e o estudo "convencional", baseado no paradigma experimental positivista.
Segundo Guba e Lincoln, o principal papel da avaliação é responder às exigências de informações do público-alvo de formas que levem em conta as diferentes perspectivas valorativas de seus membros. Ao adotar uma abordagem naturalista, o avaliador estuda a atividade do programa in situ, ou tal como ocorre naturalmente, sem confiná-la, manipulá-la nem controlá-la. O estudo naturalista coloca o avaliador no papel de estudante, e aqueles que estão sendo avaliados no papel de informantes que "ensinam" o avaliador. A perspectiva dominante é de que o informante, pelo fato de os avaliadores assimilarem sua perspectiva, aprende os conceitos usados para descrever seu mundo, emprega suas definições desses conceitos, familiariza-se com as explanações da "teoria popular" e traduz seu mundo para que o avaliador e outros possam compreendê-lo.
A avaliação e a Epochê é o exame do fenômeno sem pré-conceitos, sem etnocentrismos,  uma visão de campo onde os atores principais são os participantes.

sábado, 12 de outubro de 2019

Abordagens da Avaliação

PROPOSTA DE CLASSIFICAÇÃO DAS ABORDAGENS DA AVALIAÇÃO
(Avaliação de Programas)

"Aqueles que publicaram propostas de classificação são numerosos demais para
citar aqui, mas alguns exemplos são Guba e Lincoln (1981); House (1983a);
Madaus, Scriven e Stufflebeam (1983); Popham (1975); Scriven (1993); Shadish
et al. (1991); Stake (1975b); e Worthen e Sanders (1973, 1987). Todos eles influen-
ciaram nosso pensamento sobre a categorização das abordagens da avaliação, mas nos baseamos principalmente em nosso próprio trabalho e no de House ao desenvolver o esquema apresentado adiante."


1. Abordagens centradas em objetivos, que se concentram na especificação de metas e
objetivos e na determinação da medida
foram atingidos.

2. Abordagens centradas na administração, em que о interesse central são a identificação e o atendimento das necessidades da informação dos administradores que tomam as decisões.

3. Abordagens centradas no consumidor, em que a questão central é fornecer informações avaliatórias sobre "produtos", definidos genericamente, para o uso de consumidores na escolha entre diferentes produtos, serviços e congéneres.

4. Abordagens centradas em especialistas, que dependem basicamente da aplicação
direta de conhecimentos especializados de profissionais para julgar a qualidade
de qualquer atividade que esteja sendo avaliada.

5. Abordagens centradas no adversário, em que a oposição planejada em termos de ponto de vista dos diferentes avaliadores (prós e contras) é o foco central da avaliação.

6. Abordagens centradas no participante, em que o envolvimento dos participantes
(interessados no objeto da avaliação) é crucial para determinar valores, critérios,
necessidades e dados da avaliação.

Fonte: Avaliação de Programas - Wortens Sanders - Ed USP





Pesquisa Qualitativa

A pesquisa qualitativa em geral:

a) É realizada em ambientes naturais, como escolas ou bairros;

 b)utiliza o pesquisador como o principal "instrumento" tanto da coleta quanto
da análise dos dados (...);

c) enfatiza a "descrição substantiva", isto é, obter dados "reais", "ricos", "profundos", que iluminem os tipos de ação do cotidiano e seu significado segundo o ponto de vista daqueles que estão sendo estudados (...);

d) tende a se concentrar mais nos processos sociais do que principal ou exclusivamente nos resultados;

e) emprega múltiplos métodos de coleta de dados, especialmente observações dos participantes e en-
trevistas; e

f) usa uma abordagem indutiva em relação à análise dos dados,
extraindo seus conceitos da massa de detalhes particulares que constituem
o banco de dados.

Referência Avaliação de Programas -  "O Livro Vermelho da Avaliação".


sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Palestra Zulmira Hartz: Avaliação dos Sistemas Nacionais de Saúde: Desafios e perspectivas

DESCRIÇÃO DO EVENTO

Zulmira Hartz
Licenciada em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1974), com graduação em Medicina pela FESO-Rio de Janeiro(1979),mestrado e doutorado em Saúde Comunitária pela Université de Montreal (1989 e 1993) e pós doutorado pela École Nationale de Santé Publique-France(1997). É pesquisadora titular de Epidemiologia da ENSP/Fiocruz (aposentada), onde coordenou os Programas de Mestrado e Doutorado em Saúde Pública (1994-1996), assumindo, posteriormente, a coordenação geral de pós graduação da Fundação Oswaldo Cruz ( 2002-2004) e as funções de professora convidada do Departamento de Medicina Social, da Universidade de Montréal (2004-2007), na qual permanece como pesquisadora associada ao Groupe de Recherche Interdisciplinaire en Santé (GRIS). Entre os cargos ocupados destacam-se a direção dos Departamentos de Doenças transmissíveis e de Epidemiologia, da Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro, e a vice-direção da Escola Nacional de Saúde Pública(Fiocruz). Consultora independente em avaliação de programas, políticas e sistemas de saúde, integrando também os grupos de pesquisa do CNPq- ?Avaliação da situação de processos endêmicos e programas de contrôle? (Ensp-Fiocruz) e ?Estudos de Gestão e Avaliação em Saúde?(GEAS/IMIP). Atualmente é sub-directora do Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa (IHMT/UNL), professora associada e coordenadora da Unidade Curricular de Avaliação em Saúde no Programa de Doutoramento em Saúde Internacional.

terça-feira, 8 de outubro de 2019

Atendimento especializado no Enem(Implementação)INCLUSÃO

Atendimento especializado no Enem(Implementação)INCLUSÃO
LEVANTAMENTO DE DADOS
Ao longo da história do Enem, o atendimento às diferentes necessidades dos participantes surdos e deficientes auditivos tem sido uma preocupação do Inep. Em 2017, o Instituto passou a oferecer a Videoprova em Libras e levou o tema “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil” para a redação, promovendo um amplo debate sobre o assunto.
Na edição de 2010, inscreveram-se 17.432 pessoas com deficiência e 9.867 pessoas com mobilidade reduzida (INEP, 2013). No biênio seguinte os inscritos com deficiência alcançaram, respectivamente, 21.873 e 25.107, perfazendo um aumento de 25,5%, entre 2010 e 2011, e de 14,8%, entre 2011 e 2012.
Nas edições de 2011 e 2012, tal como ocorreu em 2010, os recursos de acessibilidade mais solicitados na inscrição foram “sala de fácil acesso” e “prova ampliada”.
Ref.: Artigo POLÍTICA DE ACESSIBILIDADE E EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO (ENEM) http://www.scielo.br/pdf/es/v38n139/1678-4626-es-38-139-00453.pdf estudo da Universidade de São Carlos SP, financiado pelo CAPES.
COMO OBTER OS DIREITOS?
Além de comprovar as necessidades especiais por meio de laudos médicos, os candidatos também recebem ligações dos funcionários do Inep após a solicitação e o encerramento do prazo das inscrições, para confirmar o auxílio requerido e a necessidade de tempo extra, dependendo do tipo e do grau da deficiência.
https://enem.inep.gov.br/antes
DIFICULDADES
Professor da rede pública do Distrito Federal e doutorando em educação especial pela Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB), Roger Pena pontua que, apesar de todos os recursos oferecidos pelo exame, parte dos candidatos com deficiência acaba esbarrando na falta de informação. “Muitas vezes, a pessoa com deficiência não tem a clareza de que ela tem direitos de acessibilidade no Enem, nas próprias universidades e em outras políticas.” https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/eu-estudante/enem...
TREINAMENTO E RECURSOS
Participam da aplicação das provas:
Pessoal treinado e capacitado
Ledores e Transcritores.
Intérpretes de LIBRAS.
Material audiovisual.
Provas ampliadas.
Provas em braile.
Mobiliário acessível.
Horário extra 1h ou 2h.
INCLUSÃO X ACESSIBILIDADE
Não podemos confundir inclusão com acessibilidade. Inclusão é um conceito muito maior, de garantir oportunidades para um grupo que, historicamente, é excluído de políticas públicas, e acesso à educação. Quando você trabalha com acessibilidade, o que está garantindo são alguns recursos, para que essa pessoa realize um exame, trabalhe ou vá a escola. O fato de garantir acessibilidade não é garantir inclusão. Incluir é aceitar o outro que é diferente e precisa de uma abordagem diferente.
Mais instituições deveriam seguir este bom exemplo e aperfeiçoá-lo.
Prof. Márcio Ruben

sexta-feira, 4 de outubro de 2019

Jogos de Linguagem: Dos Pré-Socráticos a Rorty

Jogos de Linguagem: Dos Pré-Socráticos a Rorty 


Introdução

A palavra eklesia εκλεσια significava na Grécia Antiga sair para um ajuntamento. Quando os cidadãos atenienses saíam de suas casa para se reunir na Ágora e votar pelas decisões da cidade. Ali se resolviam os problemas da Pólis grega. Interessante como a mesma palavra passa a ter significado de assembleia e até igreja. No contexto do segundo século da era cristã já se falava que a igreja se reuniu em assembleia, o que seria redundante, mas não era. As regras eram outras, o contexto criado alterou o sentido etmológico da palavra. O sentido toma uma interpretação própria para as regras hermenêuticas da época. Heráclito nos apresenta a mudança das coisas. O tempo muda, assim como a mudança é o próprio tempo. A história está na razão, como a razão está na história. Há uma razão para cada história. Há logo uma linguagem ligada ao tempo, ou a dialética do tempo. Numa tese, antítese e síntese hegeliana, onde os contrários não se contradizem, podemos verificar as mudanças que a própria linguagem toma, ou, na verdade, a regras mudam. Este ensaio se propõe estudar os jogos de linguagem, como caminho da razão e de suas regras na utilização da linguagem na prática da implementação coletiva. Pois a linguagem não é um produto particular, mas coletivo. Uma atividade da humanidade.

 A Linguagem Como Espelho

 A linguagem reflete o mundo, os objetos projetam a língua, há construto da linguagem. O mundo reflete a linguagem. A exatidão empírica da linguagem é um erro. A subjetividade certamente estará na projeção da palavra. O conceito estudado e refutado como universais dá lugar a nomes, ou nominalismo, o onde os individuais, não estavam desvinculados aos jogos de linguagem medieval. Regras criadas pelo dogmatismo. Regras mudadas pelo empirismo da modernidade ou até do racionalismo metódico cartesiano. Ideias inatas ou empíricas vêm de um sistema, um espelho que dita regras. A exatidão lógica cria conceitos, que acreditam seus mestres, são úteis e exatos em uma realidade espelhada.

 A Linguagem Como Evolução

A línguagem ligada ao cotidiano, ao dia a dia. Exemplo o hebraico construído no cotidiano, no EL que arcaico e de pictogramas, da direita para esquerda, um boi e um cajado. Fenomenologia cotidiana de um povo rural. Traduzida na razão e na regra de seu tempo o Senhor que conduz (Boi – força, senhorio; Cajado – condutor). Álefe e Lamed. Os hieróglifos egípcios foram evolução de pictogramas e desenhos. A evolução da linguagem não é etnocêntrica, neste caso, mas um desenvolvimento onde procura-se espelhar sentimentos, emoções, realidade pragmática.

 A línguagem Como Permanência

A mudança pode não ser real, nosso entendimento pode ser enganado pelos sentidos. A mudança exige um paradoxo, um ser e um não ser. Mas o não ser não existe. Logo a aparência da mudança se reflete na linguagem. A palavra é a mesma. Ela não muda, seu signo não muda, o que muda é a regra. A regra faz com a palavra permanente mude aparentemente, mas ela é a mesma. Tire-a da regra, de todas as regras. Vira um Eu Sou sem adjetivos e substantivos para acompanhá-la, mas continua sendo a palavra. A palavra que habita as coisas e é habitada por elas.

 A Linguagem Como Certeza

Se o gênio me engana, mas eu preciso existir para tal proeza, logo o que me faz existir é a palavra que habita em mim. A palavra traz a certeza da existência. Até para duvidar a palavra precisa existir e habitar. A linguagem se faz ou toda estrutura está a priori no sujeito. A palavra é objeto ou sujeito. Se faz sujeito ao emitir juízo de espaço e tempo. O juízo sintético a priori só possível por causa da inata estrutura da razão, que só é possível na transcendência e crítica da razão. Como certeza a linguagem estrutura a razão, dá significado coerente ao que vem a posteriori.

 A Linguagem Como verdade

Veritas, Aletheia e Emunah verdade respectivamente latim, grego e hebraico. Interessante que a dialética platônica é αλήθεια literalmente desesquecimento, retorno, lembrança, conhecimento do que foi esquecido. Daquilo que ficou no mar do esquecimento, quando resultado da queda da psiquê nas emanações advindas do Pleroma. Como verdade a linguagem é discernimento. Todavia a linguagem sem liberdade, também é sem verdade. Nós jogos de domínio e tirania a inverdade da linguagem é real. A linguagem em si não passado, presente ou futuro. Ela é indiferente com o tempo, pois as regras ditam uma intemporalidade. Rorty disse “Sem liberdade, não há verdade”. Mas é importante a verdade? Numa glossofobia há medo do que pode ser dito. Há na verdade uma axiofobia medo de ser avaliado pela palavra, pela linguagem. Pois avaliar é atribuir valor, mérito. A linguagem possue suas regras, seus jogos, como nos advertiu o segundo Wittgenstein. Jogos de linguagem nos apresentam valores, regras e condutas. Criados por um grupo, um círculo. Podem criar suas próprias e exclusivas regras. A palavra grega Dikaios δίκαιος significava justiça no clássico, isto é, atribuir recompensa aos bons e punir os maus. Todavia justiça no contexto eclesiástico passou a significar perdão divino.

Conclusão

Mais se pode analisar, como Heidegger analisou a palavra kosmos, mundo, cosméticos, pintura, imagem, realidade ou no sentido pejorativo algo secular, ruim. Depende da estrutura que está inserida, das regras ao seu favor sem dicotomias, sem moralidades, além do bem e do mal na regra nietzschiana. Se não existem regras para seus aforismos, ou até para sua filosofia do martelo, exitem regras para sua linguagem desconcertante, por que não dizer, da linguagem extemporânea, fora do seu tempo, que estrutura o saber moderno e contemporânea. Autor Prof. Márcio Ruben Referências SCRIVEN, Michael. Avaliação: Um Guia de Conceitos. FRM. 2018. BLACKBURN, Simon. DICIONÁRIO OXFORD DE FILOSOFIA. Zahar.2010. WITTGENSTEIN, Ludwig. Tratados Filosóficos e Pensamentos Filosóficos. Zahar. 2007. OS PENSADORES. Editora Abril. Obras Completas de cada autor. RORTY, Richard. Philosophy and the Mirror of Nature. Princeton: Princeton University Press, 1979

Postagem em destaque

Entrevista sobre Avaliação com a Professora Thereza Penna Firme

Entrevista sobre Avaliação com a Professora Thereza Penna Firme Entrevista sobre Avaliação com a Professora Thereza Penna Firme para ...