quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

Aprenda a falar em público sobre a sua Avaliação!

O Discurso na Avaliação 
A palavra grega kerygma significa aquilo que é proclamado por um arauto ou proclamador público, uma proclamação por arauto.
A retórica é a arte de elaborar e apresentar o discurso. Disse Aristóteles em seu livro a Arte Retórica e Poética "Logo, se a elaboração do discurso pode existir sem preparativos com maior razão poderá existir – com a arte e cuidados”.
No grego clássico, a palavra homilos, significava falar a uma multidão e conquistá-la, daí o estudo do discurso chamado homilética ou a palavra de cunho religioso homilia.
Em avaliação o discurso é extremamente necessário. 
É muito importante saber o que você vai falar. Leia, pesquise, domine o assunto. 
Também é muito importante haver progressão de pensamento de maneira que o primeiro ponto conduza ao segundo e o segundo a um terceiro etc. Sondando o texto com perguntas encontraremos o assunto que deve dominar o discurso. O uso de perguntas como, por exemplo: 
  1. Que é avaliação?
  2. Por que avaliar?
  3. Como avaliar?
  4. Qual o resultado e o impacto da avaliação?
O quê ou quem, o por quê, o como e qual é o resultado.
Na introdução começa-se por exprimir logo de entrada o que se pretende dizer e apresentar a ideia geral. Pode-se começar na forma de conselho, fazendo referência com elogios ou reprovações, ou diretamente a questões que dizem respeito aos ouvintes de modo geral. Importa-se obter a atenção dos ouvintes para todas as partes do discurso  não só na introdução. Então sempre que se oferecer ocasião devemos nos dirigir aos ouvintes chamando a atenção deles à importância do que estamos dizendo e do que vamos fizer. Colabora bastante aprender a se relacionar com os ouvintes, saber que estão ali porque querem nos ouvir, que é essencial como se fala: não tente falar como se escreve, pois se perde a naturalidade. Enquanto o estilo escrito é mais exato o estilo das discussões é o mais dramático. Por exemplo, as frequentes repetições da mesma palavra são censuradas no discurso escrito, porém no discurso falado são meios da própria ação.

Não bastam que nossas palavras sejam intencionalmente coerentes, elas precisam ser estruturadas sobre a realidade, sobre a experiência, sobre algo que pode conectar o orador aos ouvintes, pois eles ouvem em geral o que previamente se identificam e de maneira inteiramente individual.
As divisões e a conclusão conduzem o discurso. As ilustrações devem ser usadas com cuidado, ajuda entender o discurso. Deve-se evitar ilustrações que precisam ser explicadas. Olhar e visualizar o público traz segurança ao ouvinte e aproximação. Nunca termine seu discurso sem conclusão,  na conclusão faça uma revisão de todo assunto tratado, algumas vezes levando à prática, a ação.
(Solicite uma aula sobre o assunto em gestaodaavaliacao@gmail.com prof. Márcio Ruben)








sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

O que é Hermenêutica?

O que é Hermenêutica?

É a ciência e a arte de interpretar.
Três ciências: (Seguem regras)
• Hermenêutica – O que significa?
• Crítica textual – É verdade? É a melhor tradução?
• Exegese – Está de acordo na prática?

É muito importante:
• Contexto precedente e posterior.
• Textos paralelos.
• Ensino geral e do autor.
• Ensino geral de outros textos e outros autores.

Na interpretação do texto, da perícope escolhida (texto a ser examinado):
  • Verificar o escopo, isto é, o objetivo do autor.
  • Identificar o estílo do autor.
  • O uso de figuras de linguagem.
  • O contexto do autor: político, social, econômico.
"Para ser moderno é preciso ser extemporâneo" Nietzsche. Isto é, fora de seu tempo, examinar os clássicos,  outras disciplinas. A avaliação é transdisciplinar.
"Não se pode banhar no rio duas vezes da mesma maneira, pois as águas não são mais as mesmas" Heráclito, e, "Nós não somos mais os mesmos, pois sabemos que nos banhamos de novo" Hegel. Isto é, a razão é razão para cada momento do tempo. Para cada época há um jeito de pensar, uma contextualização, não pensamos como nossos pais, nossos antepassados. É preciso viver o passado, utilizar de ferramentas que nos façam nos aproximar do contexto do autor e dos seus escritos. 

A razão tem uma dialética, ora a verdade está no objeto do conhecimento,  ora a verdade está no sujeito do conhecimento. Há uma tese, antítese e síntese. Nem sempre a síntese é a total negação da antítese. A razão se desenvolve no tempo, a razão é o próprio tempo. Na análise dos textos é de suma importância a compreensão do tempo e da razão.  
Em grego, dialética, tem a ver com as palavras dia, através e aletheia,  verdade. É o desvelamento, a retirada do véu, é o movimento de vai e vem, é a afirmação e a negação, é a fenomenologia do espírito. A consciência de si mesmo. 
Todo texto a ser examinado reflete algo mais que letras, reflete espírito e razão. 
Prof. Márcio Ruben





sexta-feira, 29 de novembro de 2019

o poder da lógica

o poder da lógica 

Ontem conversei com o jovem muito talentoso e premiado, João, aluno do sistema de informação da Faculdade Cesgranrio sobre a importância da lógica.
Vou postar aqui uma série  de estudos sobre a lógica e o raciocínio lógico.

Tanto a razão como a experiência, o racionalismo e o empirismo, depende da lógica para passar de uma ideia a outra. Ela funciona otimanente aplicada a matemática, mas, quando os números são substitufdos por ideias, coisas curiosas podem acontecer. Parte do problema é que as palavras podem ter mais de um significado. Outro problema da lógica é que geralmente é preciso partir de premissas. Isto significa que, mesmo que  lógica seja correta, suas premissas podem estar erradas e levá-lo a conclusões falsas. 
• Para baixo: dedução 
A dedução é o processo de descobrir coisas que são necessariamente verdadeiras, contanto que os pressupostos de que partimos, denominados premissas, sejam verdadeiros. Aristóteles forneceu um famoso exemplo de um tipo de dedução que ele denominou silogismo. Consiste de três enunciados: duas premissas e uma conclusão . Eis o silogismo de Aristóteles sobre Sócrates: Todo homem é mortal. Sócrates é um homem. Sócrates é mortal. Das duas premissas, podemos deduzir a conclusão sem margem de dúvida. Como observou o próprio Aristóteles, a conclusão só é garantida se as premissas forem de fato verdadeiras. Se nem todo homem for mortal ou se Sócrates não for um homem, a conclusão de que Sócrates é mortal pOderá ser falsa. 
• Para cima: indução 
Outro processo lógico importante é a indução - uma forma de fazer generalizações sobre as coisas. A indução, assim como a dedução, passa das premissas para as conclusões. Mas, ao contrário da dedução, a indução leva a conclusões que podem não ser verdadeiras, mesmo que as premissas o sejam. As conclusões indutivas são prováveis, não certas. Por exemplo, se quisermos saber de que cores podem ser os pombos, sairmos em campo, encontrarmos um bom número de pombos e todos eles forem brancos, poderemos apostar que todos os pombos são brancos. Mas podemos ter certeza? Mesmo ver um milhão de pombos brancos não garante que não haja em algum lugar algum pombo preto. O máximo que podemos dizer é que todos os pombos são provavelmente brancos.

Continua...



quinta-feira, 21 de novembro de 2019

GRADUAÇÃO EM AVALIAÇÃO

GESTÃO DA AVALIAÇÃO
Estude na Cesgranrio.  Única graduação em Avaliação no Brasil. Nota máxima na avaliação do MEC.


ACESSE A FACULDADE AQUI

http://www.facesg.edu.br/graduacao_avaliacao.aspx


sábado, 16 de novembro de 2019

Baixe Modelo de Mapa de Processos e Resultados

Mapa de Processos e Resultados - Prof. Dr. Paulo Jannuzzi


"A especificação de pesquisas de avaliação e de sistemas de indicadores de monitoramento para um programa social segue, nos vários manuais e textos aplicados na área, um conjunto de etapas em que, a primeira, é a coleta de informações sobre os objetivos, desenho lógico, normas operacionais e arranjo de implementação do programa.
Essa etapa de “pre-avaliação”, também conhecida como “estudo de avaliabilidade do programa”, é determinante da qualidade e relevância dos insumos que instrumentos de monitoramento e avaliação aportam para gestão de programas sociais.
Afinal, programas sociais não são projetos sociais de pequena escala. Programas sociais são intervenções públicas desenhadas para mitigar uma problemática social ou para promover um objetivo societário comum. Para isso, a partir de uma “teoria de mudança social”, explícita ou não, estruturam-se em diversas atividades, envolvem-se milhares de pessoas em diferentes posições e instituições, consumindo recursos públicos para gerar produtos, serviços e outras “entregas” para a sociedade e os públicos-alvo almejados.
Assim, antes de especificar uma avaliação ou um instrumento de monitoramento para um programa é necessário conhecê-lo melhor, para que a pesquisa de campo ou o painel de indicadores não retratem de forma simplória a complexidade operacional do mesmo, ou ainda, não reflita os efeitos que o programa, de fato, pretenda alcançar (JANNUZZI 2016)."

 Mapa de Processos e Resultados - Baixe Aqui!

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

Inquisição Sem Fogueiras!

INQUISIÇÃO SEM FOGUEIRAS!

A inquisição teve inicio em 1229 e após a Reforma Protestante (1517), também foi praticada por estes . 
Alguns princípios da Inquisição:
  1. A absolvição era quase desconhecida.
  2. Os juízes eram eclesiásticos, uma ordem religiosa.
  3. A documentação e as testemunhas eram sigilosas.
  4. Os "hereges" geralmente não tinham direito a defensores (advogados).
  5. Uma pequena discordância da ordem estabelecida era motivo de ser queimado.
  6. Não havia lugar para uma "heresia construtiva".  Qualquer fala diferente era motivo para suspeita.
  7. Onde não se achavam culpados queimavam inocentes, pela denúncia com recompensa financeira de 1/3 dos bens do acusado. Uma verdadeira caça aos hereges.
Essa "atitude inquisitorial" também passou existir nos meios acadêmicos e por alguns profissionais da Avaliação. Principalmente por aqules "antigos acadêmicos" que pulverizam e esmagam os jovens acadêmicos.  
Dizem: Não aceitamos qualquer discordância.  Queimem esse "herege". Desapareçam com ele.
Dizem os inquisidores: Os males desses "novos hereges" devem ser combatidos. Esses "hereges" devem ser silenciados.
O que vemos hoje é uma inquisição sem fogueiras. Sem diálogo e baseado na hostilização, está estabelecido o tribunal. Infelizmente não se pode aceitar a cooperação e a tolerância. Professor e professora, avaliador e avaliadora devemos nos preocupar em não nos transformarmos em inquisidores dos jovens acadêmicos ou daqueles que apresentam uma abordagem diferente, mas se examinados têm um certo sentido, uma certa razão. A educação para autonomia também é uma educação libertadora da "inquisição sem fogueiras".
"Escutar é obviamente algo que vai mais além da possibilidade auditiva de cada um. Escutar, no sentido aqui discutido, significa a disponibilidade permanente por parte do sujeito que escuta para a abertura à fala do outro, ao  gesto do outro, às diferenças do outro. Isto não quer dizer, evidentemente, que escutar exija de quem realmente escuta sua redução ao outro que fala. Isto não seria escuta, mas auto-anulação. A verdadeira escuta não diminui em mim, em nada, a capacidade de  exercer o direito de discordar, de me opor, de me posicionar. Pelo contrário, é escutando bem que me preparo para melhor me colocar ou melhor me situar do ponto de vista das ideias. Como sujeito que se dá ao discurso do outro, sem preconceitos, o bom escutador fala e diz de sua posição com desenvoltura. Precisamente porque  escuta, sua fala discordante, em sendo afirmativa, porque escuta, jamais é autoritária." Paulo Freire - Pedagogia da Autonomia - Saberes Necessários à prática Educação.
Atenciosamente, 
Márcio Ruben



quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Visite nosso blog da Avaliação!

Visite nosso blog da Avaliação!


Hoje completamos 7.756 visitas ao nosso blog. Ajude a divulgar a Avaliação! "Somos anões em ombros de gigantes."



Profa. Dra. Thereza Penna Firme - Medalha Carioca da Educação 2018

Profa.  Dra. Thereza Penna Firme - Medalha Carioca da Educação 2018

Ontem tivemos uma palestra com a Professora Thereza muito maravilhosa. A cada palestra aprendemos muito e a admiramos.
Segue abaixo um vídeo da Profa.  Dra. Thereza Penna Firme - Medalha Carioca da Educação 2018. 


domingo, 10 de novembro de 2019

CIPP CONTEXTO, INSUMO, PROCESSO, PRODUTO.

CIPP
CONTEXTO, INSUMO, PROCESSO, PRODUTO.

1. A avaliação do contexto serve para decisões de planejamento. Determinar que necessidades precisam ser atendidas por um programa ajuda a definir seus objetivos.

2. A avaliação do insumo serve para decisões de estruturação. Determinar que recur-sos estão disponíveis, que estratégias alternativas do programa devem ser consi-deradas e que plano parece ter o maior potencial para atender as necessidades e facilitar a criação de procedimentos do programa.

3. A avaliação do processo serve para decisões de implementação. Qual é o grau de êxito da implementação do programa? Que barreiras ameaçam seu sucesso? Que revisões são necessárias? Depois que essas perguntas forem respondidas, será possível supervisionar, controlar e refinar os procedimentos.

4. A avaliação do produto serve para decisões de reciclagem. Que resultados foram obtidos? Até que ponto as necessidades foram reduzidas? O que deverá ser feito com o programa depois que ele chegar a seu termo? Essas perguntas são importantes para julgar o que o programa conseguiu realizar.


Referente  Livro Avaliação de Programas- Worthen - es. Gente 

Estude Gestão da Avaliação na Cesgranrio!ACESSE aqui!

Nós indicamos e recomendamos!
Estude Gestão da Avaliação na Faculdade Cesgranrio.
ACESSE E se inscreva:

(Hoje mais do que antes, o Gestor da Avaliação, é o profissional que através de uma metodologia rigorosa vai cooperar com o desenvolvimento eficaz, eficiente e efetivo de sua escola, faculdade, empresa e organização. Divulgue, diga que te indicamos e terás excelente acesso à faculdade).

Michael Scriven

FILOSOFIA

quinta-feira, 7 de novembro de 2019

Comparação entre as abordagens avaliativas




VARIACÕES PROVOCADAS PELA ABORDAGEM DA AVALlACÃO QUE ESTÁ SENDO USADA
 O modelo centrado nos participantes exerceu grande influência sobre os avalia-dores. Hoje em dia, poucos profissionais da área fazem uma avaliação sem conside-rar outros públicos e o contexto em que ela está sendo feita. Mas, como no capítulo 12, os modelos têm ênfases diferentes. Um avaliador que usa a abordagem centrada exclusivamente nos objetivos, caso raro hoje entre os avaliadores tarimbados, poderia envolver diversos públicos na definição dos objetivos do programa, mas seu foco monolítico nos objetivos o impe-diria de chegar a uma descrição adequada do programa e à compreensão do contex-to político no qual a avaliação está sendo realizada. Uma abordagem centrada em objetivos tende a ser relativamente linear e pode não reconhecer a multiplicidade de pontos de vista sobre o programa, o cliente que serve nem a sociedade na qual opera Da mesma forma, uma abordagem centrada na administração costuma ser criticada por seu foco no administrador como o principal indivíduo a tomar deci-sões e por só dar informações identificadas com as decisões a ser tomadas. Embora usuários sofisticados desse modelo certamente identifiquem e conheçam os interes-ses de outros públicos, esses públicos são vistos como secundários. Se esses públicos estiverem fora da entidade (como clientes, grupos de interesse etc.), é quase certo que não serão vistos como essenciais porque os avaliadores que adotam essa aborda-gem tendem a considerá-los sem poder para tomar decisões que afetariam o progra-ma dramaticamente (é óbvio que esses avaliadores não teriam considerado a possibi-lidade de um boicote!). Um avaliador centrado na administração também poderia se concentrar na definição de decisões a ser tomadas e no contexto dessas decisões, e não no contexto do programa em si. A abordagem centrada nos consumidores vai definir necessariamente o pro-grama em razão dos olhos dos consumidores. Nesse caso, outros públicos e outras visões do programa ou dos produtos podem ser negligenciados. Portanto, uma avaliação das florestas nacionais centrada no consumidor poderia escolher o foco da satisfação dos campistas dessas florestas. Até que ponto estão satisfeitos com as instalações do camping? Com a beleza do lugar? Com o acesso aos locais onde podem acampar? Esse tipo de foco negligenciaria outros públicos, como fazen-deiros, pessoas que não acampam mas querem a terra protegida e futuras gerações de usuários e não-usuários. É provável que o avaliador centrado em especialistas tenha a visão mais estreita ao identificar e considerar os públicos e suas descrições e visões do programa. O avaliador é contratado por causa de seus conhecimentos especializados desse tipo de programa. Esses conhecimentos, assim como os critérios da avaliação, derivam nor-malmente de educação, treinamento e experiência no campo e, muitas vezes, de padróes criados pela mesma profissão em que o "especialista" é formado. Assim, o público do programa e os meios de descrevê-lo são circunscritos de forma bem estreita pela profissão que o programa representa (como educação para as escolas, saúde para os hospitais, justiça criminal para as prisões). O avaliador pode coletar dados sobre o programa com muitos públicos diferentes, mas raramente vai consi-derar as necessidades informacionais desses públicos em sua avaliação. Esse avalia-dor veria seu papel como um reflexo dos padróes de seu campo, e não dos de outras pessoas ou grupos. O modelo centrado nos participantes é, com certeza, o que defende mais ardo-rosamente a inclusão de muitos públicos e perspectivas diferentes no planejamento da avaliação. O avaliador que usa esse modelo procuraria constantemente descobrir.
Livro Avaliação de Programas  -  Worthen


quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Efeito Hawthorne




Conceito que se originou nos Estudos Hawthorne e que consiste numa mudança positiva do comportamento de um grupo de trabalhadores em relação aos objetivos de uma empresa devido ao fato de eles se sentirem valorizados pela gerência ou pela direção da mesma.
Esse comportamento ocorreu durante os experimentos realizados em Hawthorne, quando os pesquisadores passaram a ouvir os desabafos e as sugestões dos trabalhadores. Estes consideraram que o simples fato de estarem sendo ouvidos pela empresa – e algumas de suas sugestões postas em prática – tinha sido a melhor coisa que se fizera até então. 
Os trabalhadores se sentiam valorizados também por terem sido selecionados para participar dos experimentos de Hawthorne: nas salas especiais onde estes se realizavam, a supervisão se exercia de uma forma muito menos opressiva e tirânica do que na fábrica.

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

O que é Modelo Lógico?

O desenho do modelo lógico (ML) de um programa é um esquema visual que expõe o funcionamento desse programa e fornece base objetiva a respeito da relação causal entre seus elementos, e consta de uma das etapas do processo de avaliação  (BEZERRA; CEZARIN; ALVEZ, 2010). O ML apresenta a racionalidade  interna de  funcionamento  da intervenção, ou seja, a interação entre os recursos necessários, as atividades previstas e os efeitos esperados, permitindo mapear se o programa opera como o previsto e quais são os aspectos mais frágeis, que requerem avaliação  (OLIVEIRA  ET AL., 2015).

Modelo e texto tirados da "Revista Rosa" REVISTA DO CENTRO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE SAÚDE VOLUME 41, NÚMERO ESPECIAL RIO DE JANEIRO, MAR 2017

Está edição é especial sobre monitoramento e avaliação

BAIXE AQUI É  EXCEPCIONAL

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

A Selva da Avaliação

Como enfrentar as pressões políticas sobre os estudos avaliativos
Só a mera ingenuidade explicaria a dificuldade inicial dos pesquisadores da área da avaliação de antecipar as complexidades da realidade so-cial e política? Esses pesquisadores (avaliadores) estavam mentalmente pre-parados pelo paradigma newtoniano, dominante nas ciências sociais, para uma exploração ousada das profundezas geladas (imutáveis) do espaço interplanetário. Mas estavam completamente despreparados para o pesa-delo tropical de urna selva darwiniana: um inferno verde fumegante, onde tudo está vivo e agudamente consciente de sua presença e nada espera passivamente para ser afetado por uma força externa. Esse mundo complexo é morbidamente competitivo e estrategicamente imprevisível porque as informações (da avaliação) são poder, e o poder confere vantagem competitiva. A selva darwiniana manipula e engana o viajante incauto apresentando-lhe miríades de finalidades contrárias e conflitantes. As sufocantes roupas espaciais acabaram de ser despidas (Sechrest & Figueredo, 1993, p. 648).

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

A Avaliação e a Epochê

Toda consciência, diz Husserl, é sempre  “consciência de”  ou consciência de alguma coisa, isto é, toda consciência é um ato pelo qual visamos um  objeto, um fato, uma idéia. Na abordagem fenomenológica tudo o que existe é fenômeno e só existem fenômenos. Fenômeno é a presença real de coisas reais diante da consciência; é aquilo que se apresenta diretamente,  “em pessoa”,  “em carne e osso”, à consciência.
Para nós aproximarmos do fenômeno devemos suspender todo juízo próprio de valor preconcebido, devemos fazer a epochê, suspensão de valores preconcebidos sobre o objeto. O que  é o fenômeno? É a  essência. O que é a essência? É a significação ou o sentido de um ser, sua ideia, seu  eidos. A Filosofia é a descrição da essência da consciência (de seus atos e correlatos) e das essências das coisas. Por isso, a Filosofia é uma  eidética  – descrição do  eidos ou das essências. Como o  eidos  ou essência é o fenômeno, a Filosofia é uma fenomenologia.
A abordagem naturalística de Guba e Lincoln diferenciou entre o estudo naturalista, enraizado na etnografia e na fenomenologia, e o estudo "convencional", baseado no paradigma experimental positivista.
Segundo Guba e Lincoln, o principal papel da avaliação é responder às exigências de informações do público-alvo de formas que levem em conta as diferentes perspectivas valorativas de seus membros. Ao adotar uma abordagem naturalista, o avaliador estuda a atividade do programa in situ, ou tal como ocorre naturalmente, sem confiná-la, manipulá-la nem controlá-la. O estudo naturalista coloca o avaliador no papel de estudante, e aqueles que estão sendo avaliados no papel de informantes que "ensinam" o avaliador. A perspectiva dominante é de que o informante, pelo fato de os avaliadores assimilarem sua perspectiva, aprende os conceitos usados para descrever seu mundo, emprega suas definições desses conceitos, familiariza-se com as explanações da "teoria popular" e traduz seu mundo para que o avaliador e outros possam compreendê-lo.
A avaliação e a Epochê é o exame do fenômeno sem pré-conceitos, sem etnocentrismos,  uma visão de campo onde os atores principais são os participantes.

sábado, 12 de outubro de 2019

Abordagens da Avaliação

PROPOSTA DE CLASSIFICAÇÃO DAS ABORDAGENS DA AVALIAÇÃO
(Avaliação de Programas)

"Aqueles que publicaram propostas de classificação são numerosos demais para
citar aqui, mas alguns exemplos são Guba e Lincoln (1981); House (1983a);
Madaus, Scriven e Stufflebeam (1983); Popham (1975); Scriven (1993); Shadish
et al. (1991); Stake (1975b); e Worthen e Sanders (1973, 1987). Todos eles influen-
ciaram nosso pensamento sobre a categorização das abordagens da avaliação, mas nos baseamos principalmente em nosso próprio trabalho e no de House ao desenvolver o esquema apresentado adiante."


1. Abordagens centradas em objetivos, que se concentram na especificação de metas e
objetivos e na determinação da medida
foram atingidos.

2. Abordagens centradas na administração, em que о interesse central são a identificação e o atendimento das necessidades da informação dos administradores que tomam as decisões.

3. Abordagens centradas no consumidor, em que a questão central é fornecer informações avaliatórias sobre "produtos", definidos genericamente, para o uso de consumidores na escolha entre diferentes produtos, serviços e congéneres.

4. Abordagens centradas em especialistas, que dependem basicamente da aplicação
direta de conhecimentos especializados de profissionais para julgar a qualidade
de qualquer atividade que esteja sendo avaliada.

5. Abordagens centradas no adversário, em que a oposição planejada em termos de ponto de vista dos diferentes avaliadores (prós e contras) é o foco central da avaliação.

6. Abordagens centradas no participante, em que o envolvimento dos participantes
(interessados no objeto da avaliação) é crucial para determinar valores, critérios,
necessidades e dados da avaliação.

Fonte: Avaliação de Programas - Wortens Sanders - Ed USP





Pesquisa Qualitativa

A pesquisa qualitativa em geral:

a) É realizada em ambientes naturais, como escolas ou bairros;

 b)utiliza o pesquisador como o principal "instrumento" tanto da coleta quanto
da análise dos dados (...);

c) enfatiza a "descrição substantiva", isto é, obter dados "reais", "ricos", "profundos", que iluminem os tipos de ação do cotidiano e seu significado segundo o ponto de vista daqueles que estão sendo estudados (...);

d) tende a se concentrar mais nos processos sociais do que principal ou exclusivamente nos resultados;

e) emprega múltiplos métodos de coleta de dados, especialmente observações dos participantes e en-
trevistas; e

f) usa uma abordagem indutiva em relação à análise dos dados,
extraindo seus conceitos da massa de detalhes particulares que constituem
o banco de dados.

Referência Avaliação de Programas -  "O Livro Vermelho da Avaliação".


sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Palestra Zulmira Hartz: Avaliação dos Sistemas Nacionais de Saúde: Desafios e perspectivas

DESCRIÇÃO DO EVENTO

Zulmira Hartz
Licenciada em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1974), com graduação em Medicina pela FESO-Rio de Janeiro(1979),mestrado e doutorado em Saúde Comunitária pela Université de Montreal (1989 e 1993) e pós doutorado pela École Nationale de Santé Publique-France(1997). É pesquisadora titular de Epidemiologia da ENSP/Fiocruz (aposentada), onde coordenou os Programas de Mestrado e Doutorado em Saúde Pública (1994-1996), assumindo, posteriormente, a coordenação geral de pós graduação da Fundação Oswaldo Cruz ( 2002-2004) e as funções de professora convidada do Departamento de Medicina Social, da Universidade de Montréal (2004-2007), na qual permanece como pesquisadora associada ao Groupe de Recherche Interdisciplinaire en Santé (GRIS). Entre os cargos ocupados destacam-se a direção dos Departamentos de Doenças transmissíveis e de Epidemiologia, da Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro, e a vice-direção da Escola Nacional de Saúde Pública(Fiocruz). Consultora independente em avaliação de programas, políticas e sistemas de saúde, integrando também os grupos de pesquisa do CNPq- ?Avaliação da situação de processos endêmicos e programas de contrôle? (Ensp-Fiocruz) e ?Estudos de Gestão e Avaliação em Saúde?(GEAS/IMIP). Atualmente é sub-directora do Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa (IHMT/UNL), professora associada e coordenadora da Unidade Curricular de Avaliação em Saúde no Programa de Doutoramento em Saúde Internacional.

terça-feira, 8 de outubro de 2019

Atendimento especializado no Enem(Implementação)INCLUSÃO

Atendimento especializado no Enem(Implementação)INCLUSÃO
LEVANTAMENTO DE DADOS
Ao longo da história do Enem, o atendimento às diferentes necessidades dos participantes surdos e deficientes auditivos tem sido uma preocupação do Inep. Em 2017, o Instituto passou a oferecer a Videoprova em Libras e levou o tema “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil” para a redação, promovendo um amplo debate sobre o assunto.
Na edição de 2010, inscreveram-se 17.432 pessoas com deficiência e 9.867 pessoas com mobilidade reduzida (INEP, 2013). No biênio seguinte os inscritos com deficiência alcançaram, respectivamente, 21.873 e 25.107, perfazendo um aumento de 25,5%, entre 2010 e 2011, e de 14,8%, entre 2011 e 2012.
Nas edições de 2011 e 2012, tal como ocorreu em 2010, os recursos de acessibilidade mais solicitados na inscrição foram “sala de fácil acesso” e “prova ampliada”.
Ref.: Artigo POLÍTICA DE ACESSIBILIDADE E EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO (ENEM) http://www.scielo.br/pdf/es/v38n139/1678-4626-es-38-139-00453.pdf estudo da Universidade de São Carlos SP, financiado pelo CAPES.
COMO OBTER OS DIREITOS?
Além de comprovar as necessidades especiais por meio de laudos médicos, os candidatos também recebem ligações dos funcionários do Inep após a solicitação e o encerramento do prazo das inscrições, para confirmar o auxílio requerido e a necessidade de tempo extra, dependendo do tipo e do grau da deficiência.
https://enem.inep.gov.br/antes
DIFICULDADES
Professor da rede pública do Distrito Federal e doutorando em educação especial pela Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB), Roger Pena pontua que, apesar de todos os recursos oferecidos pelo exame, parte dos candidatos com deficiência acaba esbarrando na falta de informação. “Muitas vezes, a pessoa com deficiência não tem a clareza de que ela tem direitos de acessibilidade no Enem, nas próprias universidades e em outras políticas.” https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/eu-estudante/enem...
TREINAMENTO E RECURSOS
Participam da aplicação das provas:
Pessoal treinado e capacitado
Ledores e Transcritores.
Intérpretes de LIBRAS.
Material audiovisual.
Provas ampliadas.
Provas em braile.
Mobiliário acessível.
Horário extra 1h ou 2h.
INCLUSÃO X ACESSIBILIDADE
Não podemos confundir inclusão com acessibilidade. Inclusão é um conceito muito maior, de garantir oportunidades para um grupo que, historicamente, é excluído de políticas públicas, e acesso à educação. Quando você trabalha com acessibilidade, o que está garantindo são alguns recursos, para que essa pessoa realize um exame, trabalhe ou vá a escola. O fato de garantir acessibilidade não é garantir inclusão. Incluir é aceitar o outro que é diferente e precisa de uma abordagem diferente.
Mais instituições deveriam seguir este bom exemplo e aperfeiçoá-lo.
Prof. Márcio Ruben

sexta-feira, 4 de outubro de 2019

Jogos de Linguagem: Dos Pré-Socráticos a Rorty

Jogos de Linguagem: Dos Pré-Socráticos a Rorty 


Introdução

A palavra eklesia εκλεσια significava na Grécia Antiga sair para um ajuntamento. Quando os cidadãos atenienses saíam de suas casa para se reunir na Ágora e votar pelas decisões da cidade. Ali se resolviam os problemas da Pólis grega. Interessante como a mesma palavra passa a ter significado de assembleia e até igreja. No contexto do segundo século da era cristã já se falava que a igreja se reuniu em assembleia, o que seria redundante, mas não era. As regras eram outras, o contexto criado alterou o sentido etmológico da palavra. O sentido toma uma interpretação própria para as regras hermenêuticas da época. Heráclito nos apresenta a mudança das coisas. O tempo muda, assim como a mudança é o próprio tempo. A história está na razão, como a razão está na história. Há uma razão para cada história. Há logo uma linguagem ligada ao tempo, ou a dialética do tempo. Numa tese, antítese e síntese hegeliana, onde os contrários não se contradizem, podemos verificar as mudanças que a própria linguagem toma, ou, na verdade, a regras mudam. Este ensaio se propõe estudar os jogos de linguagem, como caminho da razão e de suas regras na utilização da linguagem na prática da implementação coletiva. Pois a linguagem não é um produto particular, mas coletivo. Uma atividade da humanidade.

 A Linguagem Como Espelho

 A linguagem reflete o mundo, os objetos projetam a língua, há construto da linguagem. O mundo reflete a linguagem. A exatidão empírica da linguagem é um erro. A subjetividade certamente estará na projeção da palavra. O conceito estudado e refutado como universais dá lugar a nomes, ou nominalismo, o onde os individuais, não estavam desvinculados aos jogos de linguagem medieval. Regras criadas pelo dogmatismo. Regras mudadas pelo empirismo da modernidade ou até do racionalismo metódico cartesiano. Ideias inatas ou empíricas vêm de um sistema, um espelho que dita regras. A exatidão lógica cria conceitos, que acreditam seus mestres, são úteis e exatos em uma realidade espelhada.

 A Linguagem Como Evolução

A línguagem ligada ao cotidiano, ao dia a dia. Exemplo o hebraico construído no cotidiano, no EL que arcaico e de pictogramas, da direita para esquerda, um boi e um cajado. Fenomenologia cotidiana de um povo rural. Traduzida na razão e na regra de seu tempo o Senhor que conduz (Boi – força, senhorio; Cajado – condutor). Álefe e Lamed. Os hieróglifos egípcios foram evolução de pictogramas e desenhos. A evolução da linguagem não é etnocêntrica, neste caso, mas um desenvolvimento onde procura-se espelhar sentimentos, emoções, realidade pragmática.

 A línguagem Como Permanência

A mudança pode não ser real, nosso entendimento pode ser enganado pelos sentidos. A mudança exige um paradoxo, um ser e um não ser. Mas o não ser não existe. Logo a aparência da mudança se reflete na linguagem. A palavra é a mesma. Ela não muda, seu signo não muda, o que muda é a regra. A regra faz com a palavra permanente mude aparentemente, mas ela é a mesma. Tire-a da regra, de todas as regras. Vira um Eu Sou sem adjetivos e substantivos para acompanhá-la, mas continua sendo a palavra. A palavra que habita as coisas e é habitada por elas.

 A Linguagem Como Certeza

Se o gênio me engana, mas eu preciso existir para tal proeza, logo o que me faz existir é a palavra que habita em mim. A palavra traz a certeza da existência. Até para duvidar a palavra precisa existir e habitar. A linguagem se faz ou toda estrutura está a priori no sujeito. A palavra é objeto ou sujeito. Se faz sujeito ao emitir juízo de espaço e tempo. O juízo sintético a priori só possível por causa da inata estrutura da razão, que só é possível na transcendência e crítica da razão. Como certeza a linguagem estrutura a razão, dá significado coerente ao que vem a posteriori.

 A Linguagem Como verdade

Veritas, Aletheia e Emunah verdade respectivamente latim, grego e hebraico. Interessante que a dialética platônica é αλήθεια literalmente desesquecimento, retorno, lembrança, conhecimento do que foi esquecido. Daquilo que ficou no mar do esquecimento, quando resultado da queda da psiquê nas emanações advindas do Pleroma. Como verdade a linguagem é discernimento. Todavia a linguagem sem liberdade, também é sem verdade. Nós jogos de domínio e tirania a inverdade da linguagem é real. A linguagem em si não passado, presente ou futuro. Ela é indiferente com o tempo, pois as regras ditam uma intemporalidade. Rorty disse “Sem liberdade, não há verdade”. Mas é importante a verdade? Numa glossofobia há medo do que pode ser dito. Há na verdade uma axiofobia medo de ser avaliado pela palavra, pela linguagem. Pois avaliar é atribuir valor, mérito. A linguagem possue suas regras, seus jogos, como nos advertiu o segundo Wittgenstein. Jogos de linguagem nos apresentam valores, regras e condutas. Criados por um grupo, um círculo. Podem criar suas próprias e exclusivas regras. A palavra grega Dikaios δίκαιος significava justiça no clássico, isto é, atribuir recompensa aos bons e punir os maus. Todavia justiça no contexto eclesiástico passou a significar perdão divino.

Conclusão

Mais se pode analisar, como Heidegger analisou a palavra kosmos, mundo, cosméticos, pintura, imagem, realidade ou no sentido pejorativo algo secular, ruim. Depende da estrutura que está inserida, das regras ao seu favor sem dicotomias, sem moralidades, além do bem e do mal na regra nietzschiana. Se não existem regras para seus aforismos, ou até para sua filosofia do martelo, exitem regras para sua linguagem desconcertante, por que não dizer, da linguagem extemporânea, fora do seu tempo, que estrutura o saber moderno e contemporânea. Autor Prof. Márcio Ruben Referências SCRIVEN, Michael. Avaliação: Um Guia de Conceitos. FRM. 2018. BLACKBURN, Simon. DICIONÁRIO OXFORD DE FILOSOFIA. Zahar.2010. WITTGENSTEIN, Ludwig. Tratados Filosóficos e Pensamentos Filosóficos. Zahar. 2007. OS PENSADORES. Editora Abril. Obras Completas de cada autor. RORTY, Richard. Philosophy and the Mirror of Nature. Princeton: Princeton University Press, 1979

sábado, 28 de setembro de 2019

PEDAGOGIA DA AVALIAÇÃO E PAULO FREIRE

PEDAGOGIA DA AVALIAÇÃO E PAULO FREIRE - MICHAEL PATTON
 


EvaluationThesaurus 3ª edição Michael Scriven Inglês

EvaluationThesaurus
3ª edição
Michael Scriven

Inglês





This is a thesaurus of terms used in evaluation. It ,
is not restricted in scope to educational or program evaluation. It refers to product and personnel and, proposal evaluation as well as to quality control and the grading of'work samples. The text contains practical suggestions and procedures, comments and.criticisms,as well as definitions And distinctions. The criteria for inclusion of entry were that at least a few participants in workshops or classes requested it; a short account was possible; the account was found useful; or the author -thought it should be included for the edification or amusement of professionals and/or amateurs. Only key references are provided. The scholar may find more references in'the few that are given as that was .a criterion for selection. This work is one of a-series published by the author in 1981-82. Some of the other works deal with evaluation in specific areas. (DWH)

Este é um dicionário de termos usado em avaliação. Não está restrito à avaliação educacional ou de programa. Refere-se ao produto e ao pessoal e à avaliação da proposta, bem como ao controle de qualidade e à classificação das amostras de trabalho. O texto contém sugestões e procedimentos práticos, comentários e críticas, bem como definições e distinções. Os critérios para inclusão dos materiais foram que pelo menos alguns participantes de oficinas ou aulas o solicitassem; uma descrição curta era possível; material considerado útil; ou o autor - pensou que deveria ser incluído para a aprendizado ou distração de profissionais e / ou amadores. Somente referências chave são fornecidas. O estudioso pode encontrar mais referências entre as poucas que são dadas como critério de seleção. Este trabalho é uma das séries publicadas pelo autor em 1981-82. Alguns dos outros trabalhos tratam de avaliação em áreas específicas. (DWH)

OBS: Edição Antiga.



BAIXE AQUI GRATUITAMENTE, SEM FINS COMERCIAIS







quinta-feira, 26 de setembro de 2019

IV Ciclo de Debates em Avaliação

VENHA! VOCÊ É NOSSO CONVIDADO.
GRATUITO COM DIREITO A CERTIFICADO PELA FACULDADE CESGRANRIO!

IV  Ciclo  de  Debates  em  Avaliação

A Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Avaliação –Faculdade CESGRANRIO –tem a honra de convidá-lo para uma manhã de reflexões sobre Avaliação.

Dia  28  de  setembro  de  2019  –sábado-às  10:00  horas

Avaliação  do  Projeto  Apostando  no  Futuro (Fundação  CESGRANRIO)

Palestrante  Convidada:  Profª Rosa  Maria  Torte da  Cunha Assistente  de  projetos  especiais  da  Fundação  CESGRANRIO. 

Possui  graduação  em  Pedagogia  pela Faculdade  de  Filosofia  Ciências  e  Letras  de  Nova  Iguaçu  (1975)  e  mestrado  em  Educação  pela Universidade  Salgado  de  Oliveira  (2000). 

Tem  experiência  na  área  de  Educação,  com  ênfase  em Planejamento  e  Avaliação  Educacional,  atuando  principalmente  nos  seguintes  temas:  avaliação, projetos  sociais,  integração  escola-comunidade,  educação  de  jovens  e  adultos,  inclusão  social, diversidade  e  editoração  científica.

Auditório  da  Faculdade  CESGRANRIO Rua  Cosme Velho,  155  –Cosme Velho  –Rio  de  Janeiro www.facesg.edu.br

GRANDE OPORTUNIDADE PARA CONHECER UM POUCO MAIS SOBRE GESTÃO DA AVALIAÇÃO, UMA DISCIPLINA QUE TEM CRESCIDO SUA ATUAÇÃO NOS ÚLTIMOS ANOS.
#profmarcioruben


sábado, 21 de setembro de 2019

Autonomia do Educando

Autonomia do Educando


"Ao pensar sobre o dever que tenho, como professor, de respeitar a dignidade do educando, sua autonomia, sua identidade em processo, devo pensar também, como já salientei, em como ter uma prática educativa em que aquele respeito, que sei dever ter ao educando, se realize em lugar de ser negado. Isto exige de mim uma reflexão crítica permanente sobre minha prática através da qual vou fazendo a avaliação do meu próprio fazer com os educandos. O ideal é que, cedo ou tarde, se invente uma forma pela qual os educandos possam participar da avaliação. É que o trabalho do professor é o trabalho do professor com os alunos e não do professor  consigo mesmo. Esta avaliação crítica da prática vai revelando a necessidade de uma série de virtudes ou qualidades sem as quais não é possível nem ela, a avaliação, nem tampouco o respeito do educando." Paulo Freire
[21/9 07:31] Márcio Ruben: Pedagogia da Autonomia

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Aula com Profª Thereza Pena Firme

AULA COM A PROFESSORA THEREZA PENA FIRME FACULDADE CESGRANRIO

Um noite extraordinária, aula excepcional.
"Quando o homem descia na lua, eu descia da minha lua, terminava o meu doutorado".
"Um grande maestro foi parado por um anjo que lhe disse: Tenho uma excelente notícia para lhe dar, o senhor vai reger o coral celestial. - O maestro ficou muito feliz. Aí o anjo lhe disse. Tenho outra notícia, talvez não tão boa. - Amanhã às 10 horas está marcado o primeiro ensaio."
Serão oito encontros sobre avaliação com uma senhora de 91 anos que muito nos tem para ensinar. Deus a abençoe! No final ainda conversamos pessoalmente sobre Paulo Freire, Pedagogia, Filosofia e Teologia!
Juntos preciosos participantes diretor e coordenador da Faculdade e outros.





quinta-feira, 12 de setembro de 2019

LISTA-CHAVE DE VERIFICAÇÃO DA AVALIAÇÃO (KEC).



LISTA-CHAVE DE VERIFICAÇÃO DA AVALIAÇÃO

LISTA-CHAVE DE VERIFICAÇÃO DA AVALIAÇÃO (KEC).
Michael Scriven - Avaliação Um Guia de Conceitos


  1. DESCRIÇÃO: O que será avaliado? A descrição deve fornecer uma visão geral e um método de identificação do mesmo programa.
  2. ANTECEDENTES E CONTEXTO: A base da perspectiva e delineamento. (formativa vs. somativa, rigorosa vs. ritualística, baseada em objetivos vs. livre de objetivos...).
  3. CONSUMIDOR: Quem é impactado pelos efeitos diretos e indiretos do avaliado, o 'grupo impactado ao final da linha'.
  4. RECURSOS: O que está disponível para uso pelo ou para o avaliado?
  5. VALORES: A fonte dos parâmetros para converter fatos em conclusões avaliativas.
  6. PROCESSO: Aplicam-se os valores identificados no ítem 5 ao processo que identificou-se na Descrição (ítem 1). Em seguida aplica-se aos Recursos (ítem 4).
  7. RESULTADOS: Quais efeitos são produzidos pelo avaliado, intencionais ou não?
  8. CUSTOS: Monetário vs. Psicológico vs. De pessoal vs. Tempo vs. Espaço; inicial de. Recorrente; direto vs. Indireto; nominal vs. Descontado; atual vs de oportunidade; por componentes; quando apropriados.
  9. COMPARAÇÕES: com opções alternativas - inclua opções reconhecidas e não reconhecidas, as disponíveis atualmente das que podem ser construídas.
  10. GENERABILIDADE: Utilidade, se usado por ou para outras pessoas/ lugares/tempos/versões.
  11. SIGNIFICÂNCIA: Uma classificação da importância geral, aplicada a uma síntese, custo-eficácia.
  12. RECOMENDAÇÕES: Elas podem ou não serem solicitadas, e podem ou não acompanhar uma avaliação.
  13. RELATÓRIO: O vocabulário, extensão, formato, meio, tempo, localização e pessoal para apresentação.
  14. META-AVALIAÇÃO: Este ponto de verificação é a ligação para um segundo nível de avaliação - Avaliação da avaliação da avaliação).
DICIONÁRIO DA AVALIAÇÃO (ACESSO RESTRITO)

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Thesaurus Brasileiro da Educação

Thesaurus Brasileiro da Educação

thesaurus é um instrumento que reúne termos escolhidos a partir de uma estrutura conceitual previamente estabelecida e destinados à indexação e à recuperação de documentos e informações num determinado campo do saber.
Thesaurus Brasileiro da Educação (Brased) é um vocabulário controlado que reúne termos e conceitos, extraídos de documentos analisados no Centro de Informação e Biblioteca em Educação (Cibec), relacionados entre si a partir de uma estrutura conceitual da área. Estes termos, chamados descritores, são destinados à indexação e à recuperação de informações. Não é simplesmente um dicionário, mas um instrumento que garante aos documentalistas e pesquisadores o processamento e a busca destas informações. Acesse Thesaurus da Educação Brasileira INEP
 Thesaurus da Educação Brasileira - INEP

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Dicionário da Avaliação

O Dicionário reúne ensinos
De Michael Patton, Michel Scriven e outros.

Tipos de Avaliação
BASEADO NOS ESCRITOS DE MICHAEL SCRIVEN

AVALIAÇÃO
O processo de determinação do mérito, valor ou valor de algo;  ou o produto desse processo. As características especiais da avaliação, como um tipo particular de investigação (distinto, por exemplo, da pesquisa empírica tradicional nas ciências sociais).

Avaliação Absoluta
Avaliação expressa categórica ou incondicionalmente, em vez de relativamente, a determinado conjunto de valores.

Avaliação Arquitetônica
Envolve uma estrutura de lógica e uma camada externa de estética.

Avaliação autorrealizada
Avaliação reativa que traz à tona sua própria verdade e não seria verdadeira sem que fosse anunciada ou publicada.

Avaliação Autorrefutante
Avaliação cuja publicação traz à tona sua falsificação.

Avaliação Baseada em Objetivos
Qualquer tipo de avaliação baseada nas metas e objetivos do programa, pessoa ou produto, bem como no conhecimento destes e referenciada a eles.

Avaliação Baseada no Consumidor
Abordagem para a avaliação de (normalmente) um programa que começa com e se concentra no impacto sobre o consumidor ou clientela, ou – para ser mais exato – em total a população impactada.

Avaliação Conjunta
Avaliadores individuais de um grupo de projetos colaboram com um 'avaliador de grupo' para identificar problemas especiais que possivelmente possam solucionar juntos.

Avaliação da Implementação
Retorno ao mero monitoramento dos resultados de um programa. É mais fácil implementar; é mais difícil melhorar.

Avaliação de Alunos
Pode significar avaliação dos alunos, normalmente realizada por seus instrutores, realizada por alunos, normalmente de seus instrutores, avaliação do trabalho dos alunos, isto é, avaliação de desempenho.

Avaliação de argumentos
Distanciando-se do tudo ou nada, este tipo de avaliação avalia argumentos como mais fortes ou mais fracos, melhores ou piores. É apenas parte da lógica informal.

Avaliação de caixa-preta
Termo que se refere pejorativamente a uma avaliação somativa global, normalmente breve, é fornecida sem quaisquer sugestões para melhoria.

Avaliação de Componentes
Um componente de algo avaliado normalmente é uma parte física ou temporalmente discreta dele. A avaliação global ou holística de algo, pelo contrário, não envolve qualquer identificação, tampouco avaliação de seus componentes.

Avaliação de Desempenho
Avaliação de uma realização específica, na forma de resultado ou processo. Distingui-se avaliação pessoal de avaliação de desempenho.

Avaliação de Discrepância
Identifica as lacunas entre objetivos vinculados ao tempo (marcos) e o desempenho real nas dimensões dos objetivos.
(continua...)
 ...

Dicionário da Avaliação acesso restrito
E-mail gestaodaavaliacao@gmail.com
Dicionário da Avaliação
https://dicionarioava.blogspot.com/2019/08/dicionario-de-avaliacao.html?m=1
https://dicionarioava.blogspot.com/2019/08/dicionario-de-avaliacao.html?m=1

sábado, 7 de setembro de 2019

OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento

OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento
A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE, ou OECD, em inglês) é uma organização internacional dos países desenvolvidos comprometida com os princípios da democracia representativa e da economia de livre mercado. Sua sede fica em Paris, na França. Foi criada em 30 de setembro de 1961, sucedendo à Organização para a Cooperação Econômica Européia, criada em 16 de abril de 1948.
Objetivo
• apoiar um crescimento económico duradouro;
• desenvolver o emprego;
• aumentar o nível de vida;
• manter a estabilidade financeira;
• ajudar os outros países a desenvolverem as suas economias;
• contribuir para o crescimento do comércio mundial.
A OCDE também partilha os seus conhecimentos e troca de ideias com mais de 100 outros países e economias, desde o Brasil, China, Rússia e África do Sul até os países menos desenvolvidos da África.

A Dezembro de 2012, a OCDE tem 25 estados não membros com o estatuto de observadores ou participantes de pleno direito nas suas Comissões. Cerca de 50 não membros participam nos grupos de trabalho, regimes ou programas. A OCDE mantém um diálogo político com o propósito de partilhar as opiniões sobre quais são as melhores práticas a seguir.


Diretrizes para multinacionais
Conceito e Princípios
1. As Diretrizes são recomendações conjuntamente dirigidas pelos governos às empresas multinacionais. Estabelecem princípios e padrões de boa prática, consistentes com a legislação aplicável e os padrões reconhecidos internacionalmente.
2. Os negócios internacionais sofreram grandes alterações estruturais e as próprias Diretrizes evoluíram de modo a refletir essas mudanças. Com o crescimento das indústrias de conhecimento intensivo e a expansão da economia da internet, as empresas de serviços e tecnologia desempenham um papel cada vez mais importante no mercado internacional.
3. As empresas também promoveram o diálogo social sobre o que constitui conduta responsável empresarial e trabalharam com as partes interessadas, inclusive no contexto de iniciativas multiparticipativas (multi-stakeholder) para desenvolver orientações para a conduta responsável das empresas.
4. A OCDE tem contribuído com aspectos importantes para este processo (padrão internacional) através do desenvolvimento de padrões que abrangem áreas como meio ambiente, luta contra a corrupção, interesses do consumidor, governança corporativa e tributação.
As empresas devem:
1. Contribuir para o progresso econômico, ambiental e social, de forma a assegurar o desenvolvimento sustentável.
2. Respeitar os direitos humanos reconhecidos internacionalmente dos afetados por suas atividades.
3. Encorajar a construção de capacidades em nível local em estreita cooperação com a comunidade local, incluindo os interesses empresariais, bem como desenvolvendo as atividades da empresa nos mercados nacional e internacional, de forma compatível com a necessidade de boas práticas comerciais.
4. Encorajar a formação de capital humano, nomeadamente criando oportunidades de emprego e facilitando a formação dos trabalhadores.
As empresas devem:
1. Contribuir para o progresso econômico, ambiental e social, de forma a assegurar o desenvolvimento sustentável.
2. Respeitar os direitos humanos reconhecidos internacionalmente dos afetados por suas atividades.
3. Encorajar a construção de capacidades em nível local em estreita cooperação com a comunidade local, incluindo os interesses empresariais, bem como desenvolvendo as atividades da empresa nos mercados nacional e internacional, de forma compatível com a necessidade de boas práticas comerciais.
4. Encorajar a formação de capital humano, nomeadamente criando oportunidades de emprego e facilitando a formação dos trabalhadores.
5. Abster-se de procurar ou aceitar exceções não previstas no quadro legal ou regulamentar, relacionados a direitos humanos, meio ambiente, saúde, segurança, trabalho, tributação, incentivos financeiros ou outros assuntos.
6. Apoiar e defender os princípios da boa governança corporativa.
7. Elaborar e aplicar práticas de autorregulação e sistemas de gestão eficazes.
8. Promover conscientização e cumprimento por parte dos trabalhadores empregados pelas empresas multinacionais no que diz respeito às políticas da empresa através de divulgação adequada dessas políticas, inclusive através de programas de formação.
Obs: Além de promover nas empresas a saúde ocupacional, empregar pessoal local. Estabelecer e manter um sistema de gestão ambiental apropriado à empresa: impacto positivo no ambiente, A fixação de objetivos mensuráveis e, quando apropriado, de metas no que se refere à melhoria do seu desempenho ambiental e utilização de recursos. Monitoramento do progresso. Manter planos de contingência para prevenir, mitigar e controlar danos graves causados por suas atividades ao meio ambiente e à saúde, incluindo os acidentes e situações de emergência; estabelecendo os mecanismos necessários para alertar de imediato as autoridades competentes.
Combate à Corrupção, à Solicitação de Suborno e à Extorsão
As empresas não deverão, direta ou indiretamente, oferecer, prometer, dar ou solicitar suborno ou outras vantagens indevidas, com vistas a obter ou conservar negócios ou outras vantagens inapropriadas. As empresas deverão, também, resistir à solicitação de suborno e extorsão.
Interesses do Consumidor
Ao tratarem com os consumidores, as empresas deverão reger-se por práticas corretas e justas no exercício das suas atividades comerciais, publicitárias e de comercialização, devendo tomar todas as medidas razoáveis para garantir a qualidade e a confiabilidade dos bens e dos serviços que forneçam.
Concorrência
As empresas deverão:
Realizar suas atividades de maneira consistente com todas as leis e regulamentações de concorrência aplicáveis, levando em conta a legislação sobre concorrência de todas as jurisdições em que as atividades possam ter efeitos anticoncorrenciais.
Tributação
É importante que as empresas contribuam para as finanças públicas dos países de acolhimento, cumprindo pontualmente as obrigações fiscais que lhes competirem.
Fonte http://www.fazenda.gov.br/assuntos/atuacao-internacional/ponto-de-contato-nacional/diretrizes-da-ocde-para-empresas-multinacionais em 07 de setembro de 2019.

quarta-feira, 28 de agosto de 2019

O Papel da Ação na concepção aristotélica da felicidade

O papel da ação na concepção aristotélica da felicidade
Na filosofia prática de  Aristóteles, a teoria da ação tem uma posição central. De fato, a definição de felicidade que encontramos na  Ethica Nicomachea  e na Ethica Eudemia  baseia-se essencialmente na noção de atividade: “o bem humano resulta ser a atividade da alma segundo virtude”, diz ele; e diz ainda: “a felicidade será atividade de uma vida completa segundo virtude completa”. Nestas passagens encontramos, propriamente, o conceito de  energeia  e não o de praxis. Mas, para  Aristóteles, a  energeia  humana é feita de  praxeis: “digamos que o operar próprio do homem seja um certo tipo de vida e que esta consista em uma atividade e em ações da alma unidas a razão”, diz ele, e: “digamos que as ações, e as atividades, que dizem respeito à alma são [os bens] relativos à alma". O homem feliz é aquele que é capaz de realizar as  kalai praxeis  ou  praxeis kat’areten: belas ações, ou ações segundo virtude. A  definição de felicidade e de bem humano resulta, portanto, ser fundada sobre o conceito de  praxis.  A  determinação da felicidade humana traz consigo o conhecimento do que seja uma praxis. (...)
A ação é princípio da virtude em sentido causal: o agir bom produz a virtude e o agir mau produz o vício. Por exemplo, se alguém se habitua a realizar ações corajosas, torna-se corajoso e se alguém se habitua a realizar ações vis, torna-se vil.
(Analytica: Revista de Filosofia, Carlo Natali) Baixe o texto completo
https://revistas.ufrj.br/index.php/analytica/article/view/393/350



quinta-feira, 27 de junho de 2019

Fundação Cesgranrio - lançamento do livro do Prof. Michael Scriven

Fundação Cesgranrio - lançamento do livro do Prof.  Michael Scriven "Avaliação: Um Guia de Conceitos" presença do Presidente Prof. Carlos Alberto Serpa, Professora Thereza Penna Firme e Professora Ligia Gomes Elliot, Professores e Professoras da Faculdade Cesgranrio, Fundação Cesgranrio, Fundação Roberto Marinho e Itaú Social. Um dia memorável para a avaliação no Brasil.






terça-feira, 4 de junho de 2019

Avaliação, uma ciência - comentário

Avaliação, uma ciência - comentário

Michael Scriven

"A questão para mim era: o que eles diriam sobre a avaliação?

Seria uma disciplina, como eles a retrataram, ou simplesmente  um mito ou sonho realizar um trabalho científico com algo que envolvesse valores humanos? O que nos preocupava, no grupo de avaliação, era que eles respeitassem esse tratamento sistemático de avaliação que estava crescendo, na prática, e servindo como apoio extremamente útil aos chefes de Estado e agências federais de educação.


Esse negócio em expansão, a avaliação de programas federais, foi liderado pela enorme revolução no ensino de ciência que estava emergindo como nossa resposta à notável conquista do projeto espacial russo. Pareceu-me que uma nova disciplina com um jargão peculiar não iria muito longe, a menos que se pudesse chegar a um consenso razoável no seu próprio vocabulário.


Portanto, pensei que chegara a hora de tentar elevar o tesauro ao nível de um livro sério de referência acadêmica, o que ele já é na quarta edição. Mas, é claro, é preciso mais do que isso. Então, estávamos publicando textos introdutórios em avaliação e, em seguida, textos avançados especializados que tratavam de questões especificas como análise de custo e como formar avaliadores e o início de uma rede de ofertas de emprego e especial istas disponíveis para preenchê-las, o que entregamos aos caminhos habituais do mercado de trabalho. Então também precisávamos da estrutura funcional de uma ciência.


Quando comecei a olhar para as disciplinas clássicas, mesmo  que eu já fosse um defensor da disciplina e da profissão de avaliação, notei algumas características extraordinárias que desafiaram a suposta abordagem "livre de valores" para as ciências sociais. Era de fato possível argumentar que a avaliação era a disciplina mais importante nas ciências sociais e começamos a pensar em maneiras de configurá-Ia como um assunto distinto. Sua distinção foi notável e a primeira coisa que  me fez sentir que precisávamos de uma disciplina organizada foi o fato de que, no final das contas, toda disciplina tinha um componente de avaliação: o processo de avaliação de hipóteses e metodologias, técnicas, programas de treinamento e publicações.


Em outras palavras, a questão não era se havia algum lugar para a avaliação entre as disciplinas respeitáveis, mas sim, seu lugar estava em todas as disciplinas, a fim de separar o que eu chamaria de "bom" do "ruim". Isto é, distinguir as boas teorias, hipóteses, amostras, bons desenhos experimentais daqueles menos bons e dos claramente inválidos. Isso foi feito com muito cuidado em quase todo texto ou monografia. A Ciência não poderia avançar sem isso.


Isso me levou a duas posições. A primeira, expressa na introdução à quarta edição em inglês, defendia principalmente que a avaliação é urna prática que acontece cm todas as disciplinas. E de fato o que eu chamo de transdisciplina, por direito próprio. Toda disciplina faz avaliação para se distinguir do que é mera pseudociência, história ruim ou teoria legal infundada etc. Longe de ser tratado como um assunto que deve ser mantido longe da ciência, era um assunto que realmente deveria ser estudado com bastante cuidado, já que a Ciência dependia dela. A falta de avaliação sistemática em novas teorias significava estar desenvolvendo uma pseudociência. No caso da astrologia e da parapsicologia malconduzida, foi por causa de
suas metodologias ruins que continuamos a recusar a admissão delas ao rol das grandes ciências. Então, o primeiro ponto que eu queria colocar na quarta edição do Avaliação: Um guia de conceitos era de que a avaliação é transdisciplinar; que é uma disciplina que faz parte de cada disciplina e precisa ser examinada com muito cuidado ao se desenvolver qualquer disciplina.


A segundo posição que foi evoluindo inclui outros pontos de vista da natureza da avaliação que são realmente interessantes, mas apenas desenvolvidos por mim após a publicação da 4a edição. Eles devem ser expandidos sob suas palavras-chave em uma futura edição. A primeira dessas novas ideias foi que não só a avaliação seria um elemento-chave em todas as disciplinas, e deveria ser realizada com muito cuidado e com considerável dificuldade, mas que o resultado dessa luta para definir o que conta como boa teoria dentro da astrobiologia ou educação ou prática era de fato a questão mais importante que as pessoas enfrentavam dentro de uma disciplina. Eu não estava mais defendendo a importância dela, já que a avaliação era amplamente utilizada em todas as disciplinas. 

Eu estava argumentando que se tratava da disciplina mais importante dentre todas as outras disciplinas, porque a vida e morte da disciplina como disciplina dependia de sua aplicação. Já que isso se baseia em aceitar e desenvolver teorias melhores, e não piores, ela agregou valor à conclusão. Então, apresentei a ideia de avaliação como a "disciplina alfa", o que significa a mais importante guardiã das chaves do reino.

Michael Scriven - Avaliação um guia de conceitos
Chianca e Mariana Ceccon Chianca. - 1. ed. - Rio de
Janeiro/ S;1o Paulo: Paz e Terra. 2018.

Postagem em destaque

Entrevista sobre Avaliação com a Professora Thereza Penna Firme

Entrevista sobre Avaliação com a Professora Thereza Penna Firme Entrevista sobre Avaliação com a Professora Thereza Penna Firme para ...